ferry-boat-g838a8b4dd_1920

Temporada de cruzeiros deve gerar 35 mil empregos e injetar R$ 2,5 bi na economia nacional

Navios voltarão a navegar entre novembro de 2021 e abril de 2022. Retomada também aguarda a definição de protocolos sanitários que estão sendo elaborados pela Anvisa   

 

Autorizada pelos ministérios da Saúde, Infraestrutura, Justiça, Turismo e Casa Civil, a temporada de cruzeiros 2021/2022 deve gerar 35 mil empregos e impactar a economia nacional com a injeção de R$ 2,5 bilhões. Os dados são da CLIA Brasil, Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos que, junto ao setor, participou das negociações para viabilizar o retorno após mais de um ano de paralisação. 

A portaria 658/2021, que dá sinal verde para os cruzeiros marítimos retornarem à costa brasileira, traz otimismo para o cenário econômico do país. De acordo com a CLIA, a expectativa é que a temporada de retomada tenha uma arrecadação 11% maior do que o registrado na última estação em 2019/2020. 

Na última temporada realizada no Brasil, o setor de cruzeiros injetou R$ 2,24 bilhões na economia nacional e gerou 33.745 mil empregos. No cenário mundial, o valor arrecadado foi de US$ 145,5 bilhões, além de 1,2 milhão de empregos e US$ 50,53 bilhões em salários pagos.

As viagens de cruzeiros já foram retomadas em 50 países. No Brasil, a previsão é que a temporada aconteça entre novembro de 2021 e abril de 2022. Para essa estação, estão previstas a circulação de sete embarcações que irão ofertar mais de 556 mil leitos, cerca de 35 mil a mais no período de 2019/2020.  

Além disso, estão previstos cerca de 130 roteiros e 570 escalas em destinos nacionais bastante procurado pelos brasileiros, como Rio de Janeiro, Santos, Salvador, Angra dos Reis, Balneário Camboriú, Búzios, Cabo Frio, Fortaleza, Ilha Grande, Ilhéus, Itajaí, Maceió, Porto Belo, Recife e Ubatuba. 

Apesar de autorizada, a temporada de cruzeiros aguarda a definição dos protocolos sanitários, que estão sendo discutidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

(Fonte: Ministério do Turismo e CLIA Brasil)